Pular para o conteúdo

 

Nasceu em Belfast, Irlanda no dia 05 de Março de 1947. Filho de James Morrison e Isabella Morrison e chegou ao Brasil no dia 27 de Julho de 1976.

Fez seus estudos primários (1ª à 4ª série) de 1952 a 1958 em Belfast, na escola Sagrado Coração e a 5ª até à 8ª série na escola São Gabriel, também em Belfast.

Antes de terminar o segundo grau, deixou de completar o curso e se formou como enfermeiro psiquiátrico, profissão que exerceu durante alguns anos. Sentindo a vocação religioso-missionária, ingressou em 1967 num seminário que a SVD mantinha para as chamadas "vocações tardias" (na verdade alunos maduros sem o segundo grau completo) na vila de Carrog no País de Gales, para obter o diploma necessário.

De 1969 até 1972 fez seus estudos de filosofia no seminário de Donamon Castle, na localidade de Roscommon, Irlanda e estudou teologia de 1972 a 1976 no Divine Word Hostel em Maynooth, Irlanda.

Iniciou seu noviciado em 13 de Setembro de 1969 em Roscommon, professou seus primeiros votos em 14 de Setembro de 1970 e os votos perpétuos em 14 de Abril de 1975 em Maynooth. Sua ordenação sacerdotal aconteceu no dia 06 de Setembro de 1975 na paróquia Holy Cross, Belfast.

Depois da ordenação ficou ajudando em Dublin até que conseguiu seu visto de entrada no Brail. Seu primeiro trabalho foi em Guarapuava, Paraná a partir de 1976. Questionado sobre como se sentia no seu primeiro trabalho no Brasil, Thomás escreveu na sua ficha (1978):

" Acho o trabalho bem missionário. Também o trabalho atinge todas as áreas de pastoral. Por exemplo: Jovens, círculos bíblicos, saúde, liturgia, família, agricultura..."

À pergunta sobre seus trabalhos ou campos de evangelização preferidos ele responde: "Juventude, Catequese, Educação SVD e gostaria de me oferecer pra trabalho nos lugares mais necessitados do Brasil, por exemplo, no Norte".

Na mesma ficha fala sobre os cursos que gostaria de fazer: "Catequese, educação, aconselhamento pessoal e NEMI".

Por fim faz algumas observações pertinentes:

- "Dou meu apoio ao provincial e os seus conselheiros no desejo de achar novas pistas conforme o tempo de hoje".

- "Não é bom que nossa força seja extraviada, isto é, no colocamento de nosso pessoal só dentro da província; o trabalho deve ser mais concentrado e feito em equipe."

-"Gosto como as irmãs SSPS estão trabalhando com os padres aqui em Guarapuava."

-"Mais ligação com as irmãs e trabalho de equipe com os padres na paróquia, especialmente no interior."

-"Presença da SVD nas cidades é importante manter por motivo das vocações."

Depois deste trabalho na paróquia St´Ana de Guarapuava, foi para o Seminário menor de Ponta Grossa e filosofia em Curitiba na comunidade de formação Paulo VI. Os formandos lembram-se dele com carinho, pela pessoa que era e o seu jeito novo de formá-los. Em vista de seu aperfeiçoamento na área de formação inscrevesse-se no CETESP, curso para formadores da Conferencia dos religiosos do Brasil, e assim vai para Brasília participar do curso de 16 de Fevereiro a 10 de Julho de 1987.

Desde o início do seu trabalho no Brasil ele manifestou o seu desejo de trabalhar no Norte. Assim pediu sua transferência para o então distrito de Santarém em 1988 e vai viver no Santarenzinho numa casa de palha perto da associação de moradores. Cuidou do Bairro e também do Eixo forte, enquanto sonhava com uma casa de formação da Região.

Quando chegou, em 1988 envia uma carta para Aloísio Fludra- provincial da BRS onde fala um pouco do então distrito de Santarém: "...estamos sentindo muito falta de pessoal, especialmente brasileiros e de outras nacionalidades para internacionalizar esta "província irlandesa" e para desenvolver os novos trabalhos de formação na periferia de Santarém e na nova Prelazia de Itaituba. De fato estamos muito atarefados. Como dizia João Barendze "não custa chorar um pouco, né?""

Em 1989 o distrito adquiriu o terreno onde se construiu a atual casa de formação. Em carta dirigida ao então provincial do BRS ele fala: "Gostaria que mandasse mais dinheiro para a casa de formação... os últimos cruzados se foram"

Noutra carta (1989) para irmão Anselmo, Ecônomo BRS, ele escreve: "quero avisar que recebi a segunda parcela para a casa de formação daqui, mandada com o Leo. O dinheiro não vai longe e parece que vem uma tempestade de preços altos: cimento custa 10,00; carne 5,00; cerveja 1,20. No mais estamos levando o barco em frente com fé e coragem. É o jeito."

A seguir foi pároco da Paróquia de Santo Antônio em Oriximiná e trabalhou por dois anos na Missão de Boavista Roraima. Neste período passou alguns anos ajudando a Província Irlandesa como mestre de noviços e de teólogos, obtendo mestrado em Teologia Pastoral.

Em 2009 retornou para a Província BRS, assumindo a Paróquia Santa Bakhita na periferia de Paranaguá, até sentir a sua saúde debilitada no fim de 2013. No início de 2014 se transferiu para Ponta Grossa a fim de tomar os cuidados necessários com a saúde, mas para a surpresa geral veio a falecer durante a noite de 23/24 de março de 2015. Durante todos os seus anos de trabalho evangelizador sempre manteve uma posição clara e decidida em favor dos pobres e excluídos, opção que ele continuou em Paranaguá até a sua saída deste seu último trabalho.

 

 

     

Pe. Francisco Kom nasceu a 11 de Agosto de 1939 em Johannesburg , Africa do Sul, mas optou, mais tarde pela nacionalidade Irlandesa. Seus pais foram Lai Min Kom e Sui Dai Kom. Fez o seu ensino primário e secundário na África do Sul de 1947 a 1957 e os estudos superiores de filosofia e teologia em Donamon e Maynooth na Irlanda.

Fez os primeiros votos na Congregação do Verbo Divino em 1967, os votos perpétuos em 1971 e foi ordenado sacerdote no dia 18 de Dezembro de 1971 em Donamon, Roscommon, Irlanda.

Chico Kom foi nomeado para a província SVD Brasil Sul em carta de 24 de Abril de 1971 assinada por Carlos Muller, assistente do Conselho Geral e dirigida ao provincial de BRS, Pe. José Couto Mota.

Pe. Patrick Ferry, provincial da Irlanda, em carta datada de 11 de Junho de 1972 diz textualmente: " Durante os últimos quatro anos tenho sido o provincial de Pe.Francis Kom. Li todos os relatórios feitos sobre ele durante a sua formação académica e religiosa e não tive nenhuma dúvida em recomendá-lo como candidato idôneo à ordenação sacerdotal e o recomendo como capacitado para exercer suas funções sacerdotais no Brasil."

Já destinado para o Brasil, mas ainda em Maynooth, Irlanda em carta datada de 14 de Fevereiro de 1972, Padre Chico Kom se apresenta ao provincial do Brasil Sul, Antônio Korman: "Sou cidadão Irlandês, nascido em Johannesburg, África do Sul e sou descendente de chineses. Nos últimos seis anos estudei na Irlanda. Em Dezembro do ano passado fui ordenado presbítero. Desde os meus tempos de escola tive muito interesse pela América do Sul e agora chegou o momento de pedir o meu visto para o Brasil onde espero trabalhar como padre."

Pe. Chico Kom chegou no Brasil no dia 12 de Janeiro de 1973 ( Cf. Carta datada de 26 de Abril de 1977 escrita de Medianeira pedindo as suas primeiras férias).

Vamos encontrar padre Chico Kom em Abril de 1973 em Brasília fazendo o curso de inculturação e português (CENFI) na sua primeira etapa de vida e missão no Brasil.

No dia 18 de Maio de 1973 envia uma carta ao provincial da BRS , Pe. Koreman onde fala sobre o seu futuro. Primeiro desculpa-se por ainda não escrever em português e continua:

"Na Irlanda, durante uma visita sua perguntei se podia trabalhar em Guarapuava um ou dois anos logo no início com Tom e Sean. Sua resposta foi sim. Agora Tom Hughes me diz que me querem mandar para Medianeira. Não me importo de ir para lá se realmente é impossível ir para Guarapuava. Mas, por favor, me autorize a ficar dois meses em Guarapuava... para obter experiência pastoral com Tom e Sean (Irlandeses). Tenho a certeza que tenho muito a aprender com eles. "

O provincial Koreman responde em uma carta datada de 23 de Maio de 1973:

"Analisamos com carinho o seu pedido de ir para Guarapuava. Isso se tornou impossível porque também o Jorge vai para lá a pedido do Sr Bispo. Vai mais o Getúlio. Lá não há mais quartos e em outras paróquias sofremos de uma falta tremenda de padres. Na verdade o primeiro pensamento foi Medianeira... mas agora o Conselho decidiu nomeá-lo como coadjutor para a Paróquia de Corbélia, uma de nossas melhores paróquias perto de Cascavel... Você irá gostar muito daquela paróquia e até o povo está ansioso para recebe-lo, querem até prepara uma festinha para a sua chegada... Acho que não deveria ir para Guarapuava agora, mas sim depois de entrosar-se em Corbélia. Daí depois ir olhar em Guarapuava e comparar as paróquias e os métodos de trabalho. Não só ali mas também em Cascavel ou Foz... talvez a decisão do conselho irá decepcioná-lo. A gente compreende o seu desejo mas....você vencerá o receio e vai gostar imediatamente daquela paróquia..."

Em 1977 encontramos Chico Kom em Medianeira pedindo suas primeiras férias e um curso na Irlanda, já que naquele ano não haveria curso de Nemi em Inglês. Foi aconselhado pelo Conselho a fazer Nemi em 1978, o que ele aceitou adiando suas férias para Novembro de 1978 e fazendo Nemi em Janeiro de 1979.

Numa carta datada de 07 de Fevereiro de 1978 comenta um acontecimento desagradável que aconteceu com João Mors, Pároco de Medianeira, onde Chico trabalhava: Elírio Dal Piva provincial BRS nomeou João Mors, por telefone, como Reitor de Ponta Grossa no dia 24 de Dezembro de 1977. Quando chegou um gripo de padres e irmãos fizeram uma reunião em Ponta Grossa e votaram contra o João Mors como Reitor. Chico Kom em Carta ao provincial elírio diz: "Fiquei realmente chocado e confuso... eu acho que Pe. João não merecia esta humilhação, este tratamento de ser nomeado e depois rejeitado. Pe. João sempre preferiu trabalhar na pastoral, mas porque o conselho convidou, ele aceitou. O povo aqui pergunta como João está indo em Ponta Grossa e eu não sei que responder."

Em sua resposta Elírio Dal Piva (provincial) responde: "falaremos pessoalmente. Parece-me que uma guerra epistolar não levaria a parte nenhuma.... Espero que você e o Adrianinho, que agora será vigário em Medianeira, "condividam" bem o trabalho, mas também saibam moderar os esforços para não sobrecarregar.