Pular para o conteúdo

A assembleia dos Missionários do Verbo Divino, na Amazônia, começou às 15 horas, no dia 8 de setembro de 2021. Iniciou com Padre Henrique colocando as pautas e em seguida pela leitura da ata da última assembleia por Pe.

Antônio Rodrigues.

Como primeira atividade, Padre Manuel Lopes Rodrigues pediu aos confrades que relatassem um pouco sobre três aspectos: a situação pastoral, a convivência e a administração. Padre João Paulo que trabalha em Caiane, Guiana Francesa, relatou que tudo estava fechado por conta da pandemia e não podiam sair da casa. Mas, apesar das dificuldades venceram.

Pe. Gregório e Pe. Hazer falaram sobre a missão em Oiapoque. Proferiram do uso máximo das redes sociais e da rádio para evangelizar e animar o povo fiel. A visita para a aldeia foi cancela e receberam ajuda das Cáritas para cestas básicas. A convivência ficou mais forte durante a pandemia porque estavam todos juntos. Padre Sebastião disse que 30% da capacidade da Igreja poderia acolher os fiéis durante a pandemia, em Macapá. Economicamente, a paróquia não foi muito afetada. Mas, por conta do apagão do ano passado foram muito atingidos. Irmão Carlos relatou sobre as atividades na capital, Belém, falando sobre as aulas à distância etc.

Pe. Rudolf e Pe. Patrício contaram sobre Altamira e a missão indígena, no Xingu. Agradeceram sobre ajuda das cestas básicas doadas pela congregação do Verbo Divino e os colaboradores locais de Altamira. Padre Patrício disse que na aldeia praticamente todos pegaram o covid-19. A Diocese do Xingu perdeu dois religiosos. Sobre a paróquia de Placas, Padre Antônio disse que a pandemia apertou a situação financeira, pois a festa da padroeira que sustentava a paróquia há anos. Ele agradeceu ao Pe. José Boeing pela formação de liderança.

Rurópolis foi muito afetada pela pandemia, mas deixaram a Igreja aberta para que o povo tivesse seu tempo de adoração e veneração a Santíssima Trindade. Com isso, entrava algumas ofertas para manter a casa. Com ajuda da congregação e da prefeitura conseguiram doar muitas cestas básicas para as famílias necessitadas.

Pe. Agostinho e Elly descreveram que recebiam muita ajuda do povo durante a pandemia. A festa do padroeiro foi só uma celebração. Ele agradeceu aos dizimistas de Trairão que sempre colaboraram. Uma das coisas boas de Jamanxim é que as pessoas faziam leilões de gados para colaborar com a Igreja. A dificuldade é por ser uma paróquia nova e o povo ainda está se acostumando.

Padre Adventino contou sobre a paróquia Nossa Senhora do Rosário que estão se esforçando para ter formação de fé e cidadania. Ele também disse que o dízimo está muito bem. Padre Arilson disse que as celebrações continuaram durante pandemia através de lives pelas redes sociais. Também mencionou as ajudas da casa Central. Disse que conseguiu distribuir 200 cestas básicas durante a pandemia. A paróquia São Raimundo conseguiu montar 150 cestas básicas para os pobres. Padre Henrique disse que tudo foi doado pelos paroquianos para montagem e distribuição das cestas.

Assembleia Verbita - BRA Foto : Blasius Kindo

Pe. Manuel proferiu que em Alenquer, a comunicação pelas redes sociais, rádio e TV foi mais forte durante a pandemia. Não houve formação, por isso, o gasto foi bem menos que outros anos. Falando sobre paróquia de Curuá, Padre José Mapang disse que estava muito preocupado com uma dívida da paróquia, mas estão conseguindo pagar aos poucos. Também falou que já conseguiram visitar quase todas as comunidades e realizaram a primeira festa da padroeira da matriz.

Além das paroquias, Padre José Boeing, Padre José Cortes, Irmão Blasius, Padre Leonardo, Padre Michel e Pe. Agostinho Mevor manifestaram as alegrias e tristezas da missão.

Assembleia Verbita- BRA Foto: Blasius Kindo

No segundo dia foram tratados sobre as dimensões da congregação: Comunicação, Justiça e Paz, Animação Missionária e Bíblia. Os verbitas dividiram-se em quatro grupos, onde cada um se identifica e encontros dos distritos e áreas. Os conselheiros apresentaram transferências de confrades para o próximo ano. Montaram uma programação da visita geral que vai acontecer no próximo ano. Os missionários verbitas presentes aprovaram a proposta de assumir novas áreas de missão, em Macapá. Padre José Cortes se prontificou para fazer uma experiência e depois continuar trabalhando, em Macapá. Tratando sobre a missão indígena Padre Elly se disponibilizou para trabalhar futuramente na área indígena.

No último dia a celebração Eucarística foi pela manhã. Após a missa foi apresentado os informes. Finalmente, a situação financeira da região foi apresentada pelo ecônomo Irmão Blasius que falou do esforço para economizar, mas os preços recentemente aumentaram muito. Apresentou as despesas do ano 2020 e 2021 até agora. Também foi demonstrado as colaborações das paroquias e confrades. Como resultado de um trabalho árduo se obteve um bom saldo porque os missionários ainda não saíram de férias por conta da pandemia. Por fim, Padre Leonardo Gade, o Regional do BRA agradeceu a todos pelo sucesso da assembleia e deixou agendado a próxima assembleia, em maio de 2022.

Texto: Ir. Blasius Kindo, SVD

A assembleia Subzonal dos irmãos Verbitas aconteceu vitualmente, nos dias 29, 30 e 31 de julho de 2021 pela manhã. Aproximadamente vinte irmãos incluindo alguns padres participaram no encontro. Todos os dias a assembleia começava às 9 horas com oração e encerrava ao meio dia. No primeiro dia os provinciais e regional do Brasil-Subzonal fizeram presença na assembleia. Depois da oração na abertura Pe. João Batista agradeceu pelos trabalhos dos irmãos e desejou uma boa assembleia. Pe. Leonardo Gade, Regional da BRA também manifestou suas palavras de agradecimento e disse que os irmãos estão contribuindo com muitas coisas na região. Então, o Irmão Nelson fez uma breve retrospectiva do encontro dos irmãos que aconteceu, em 2019, em Suzano, São Paulo.  Depois da retrospectiva, o encontro continuou com partilha da vida dos irmãos. O momento foi bem proveitoso para conhecer um ao outro, apesar das distâncias e contratempos.

XIX Assembleia dos irmãos Subzona-Brasil Imagem: Capturas de tela

           O segundo dia começou com a oração guiados pelos irmãos de BRN; refletimos sobre a oração ‘Pai Nosso’ e ser misericordioso. Em seguida, começou o estudo da “Fratelli tutti e relações” com a assessoria das irmãs Servas do Espírito Santo, Ir. Stella Maris Martins e Juliana. As irmãs trouxeram reflexões sobre relações interpessoais e autoconhecimento com as perguntas: Quem sou eu? Onde estou? Para onde estou indo? Durante a palestra surgiu diversos questionamentos e esclarecimento para que a dinâmica do encontro pudesse fluir bem. Padre Ademar, o formador do propedêutico colaborou nas reflexões e esclarecimentos do estudo. Os irmãos Olavo, Paulinho e Alfonso também questionaram e colaboraram na reflexão. O estudo ajudou a refletir nossa existência e dever nos lugares das missões. O segundo dia encerrou com uma oração e agradecimento às irmãs.

            Os assuntos para terceiro dia foram Programa de Formação PFT, Especialização e Estudo, Pastoral Vocacional, Boletim dos irmãos, Coordenadores–Subzona- Província, Formadores e eleição da nova coordenação Subzonal dos irmãos para o próximo triênio. Depois da oração inicial, Pe. Ademar relatou a situação dos formandos coléricos e irmãos. Ele também sugeriu para alterar algumas coisas na formação especialmente para os formandos dos irmãos. Demonstrou suas preocupações sobre vocação religiosa no Brasil. Depois dos assuntos da formação, os irmãos elegeram coordenadores para Subzona Brasil. Irmão Jairo Godinho foi eleito como primeiro coordenador e Irmão George Kindo como o vice, Irmão Olavo como secretário. Deixaram programado para próximo XX encontro dos irmãos, o dia 4 de abril de 2023, em Curitiba. Os irmãos que participaram, demonstraram alegria e satisfação. Alguns disseram que essa assembleia foi uma das melhores assembleias já realizada.

Texto: Ir.Blasius Kindo, SVD

Isaac Garcia de Correia
Isaac Garcia de Correia Foto: Blasius Kindo

Conte-nos sobre você e sua caminhada pastoral?

Meu nome é Isaac Garcia de Correia; nasci na Vila Franca, mas desde 1980 morava em Maripá. E voltei morar na Vila Franca, em 2016. Sou casado com Maria do Rosário Côrrea da Silva e tenho três filhos. Entrei no trabalho pastoral, em Sanchi, em 1985, com a chegada dos Verbitas na área. Naquela época era semana catequética onde eu senti meu chamado para várias pastorais. Dois anos depois fui convidado pelo Pe. Chico Kon para participar da semana dos multiplicadores.

Como foi sua experiência pastoral com os Verbitas?

Desde que Pe. Chico Kom chegou o acompanhei até sua saída. Depois continuei com o Pe. José Gross que ficou 14 anos na região do Arapiuns. Foi quando me tornei agente pastoral por dez anos na área. Durante esse tempo, passaram também Pe. Eduardo, Pe. Gregório e Pe. Chico porque o trabalho pastoral era muito. Pe. Chico começou muitos pastorais na área e incentivou também o trabalho social. Naquela época o transporte era muito difícil. Ele conseguiu três barcos para transporte: um para Maripá, outro para Vila São Francisco e um para Anaí. Pe. Chico organizou muitas comunidades criando distritos, pastoral de conjunto e semana de formação.

Como foi presença do Pe. José Gross na Região de Arapiuns?

Então, depois da saída do Pe. Chico Kon, chegou o Pe. José Gross que foi muito forte na questão ambiental. Incentivou a plantar, criar galinhas e porcos; trabalhar e sobreviver de maneira digna. Ele pensava que a gente morava numa área muito rica, por isso, não devemos reclamar de não ter o que comer. Aprendi muitas coisa do Pe. José Gross; ele foi como um pai para mim. Apesar das seriedades, rigidez era muito correto, ele foi muito atento a vida das pessoas. Ele ficava muito preocupado com o meio ambiente. A gente organizava diversos cursos e encontros em toda a região. Naquela época a região 8 era a melhor região pastoral da diocese, justamente por conta do trabalho do Pe. José Gross com os diocesanos como Pe. Edilberto e outros, em Arapixuna e Lago Grande.

No seu ver quem foram os Verbitas para Região Arapiuns?

Eu digo assim, o Verbita foi o começo do trabalho pastoral, pois antes não tinha. Tinha missa com o padre e só. É que os padres diocesanos eram poucos. Tinha momento que só chegavam celebravam e batizavam rápido e iam embora para atender outras comunidades. Os Verbitas valorizaram muito a formação dos leigos.

O que impactou na sua vida com presença dos Verbitas?

Vou ser muito sincero, a primeira vez que participei diretamente da igreja foi na semana catequética, em 1995. Eles nem me convidaram, mas disseram que estavam procurando alguém que participasse do encontro. Eu me prontifiquei; alguns falaram, “você vai nesse encontro? Você nem vai na igreja!”. Então, eu fui e nunca mais parei, foi um chamado de Deus. Eu digo que os Verbitas na minha vida foram uma luz no meu caminho. Os ensinamentos dos Verbitas me ajudou conduzir a minha vida, a família e os meus filhos. Para onde for, até hoje, eu carrego na minha vida os ensinamentos dos missionários Verbitas.

Que mensagem senhor deixa para os missionários Verbitas?

Que abrace a causa da missão! Nova forma, novo jeito de entender o mundo, como Jesus tem feito. Nesse sentido o Verbo Divino precisa continuar com a sabedoria da vinda do Espírito Santo com o trabalho que tem feito e aproveitar todas as vantagens que a tecnologia oferece para continuar fazendo melhor.

Com o tema: São Raimundo Nonato ajudai-nos a viver o amor e unidade, a Paróquia São Raimundo Nonato celebrou seu padroeiro no período de 21 a 31 de agosto. Foram 10 dias de festa com celebrações e programação social com venda de iguarias e no ultimo dia sorteio da rifa.

Este ano devido a pandemia que ainda vivemos, não foi possível convidar comunidades de fora para celebrarem conosco, mas a festa contou com a participação de diversos padres da Congregação do Verbo Divino e o Clero Arquidiocesano.

Refletindo o amor e unidade buscamos este ano com essa festa viver o amor como serviço ao próximo e colocar em prática nossa fé. De agir como o Bom Samaritano cuidando de quem precisa, e sobretudo, respeitando e dialogando.

Encerramos a festa com a celebração no dia 31 de agosto – Dia de São Raimundo Nonato, e contamos com a presença de nossa Arcebispo Dom Irineu Roman, padres VERBITAS e também com o Sistema Arquidiocesano de Comunicação transmitiram a celebração de forma integrada Rádio Rural, TV Encontro e mídias sociais, fazendo que os fiéis que não puderam esta presentes se sentissem parte integrante da liturgia festiva.

Que São Raimundo Nonato interceda por você e toda sua família!

Thiago Vasconcelos

Coord. Da Pastoral Litúrgica